Covas coloca condenado em improbidade para fazer reforma da Previdência em SPTempo de leitura: 2 min.

0
66

O prefeito Bruno Covas (PSDB) promoveu mais uma troca no secretariado da Prefeitura de São Paulo. Paulo Uebel deixou a Secretaria de Gestão e quem assumiu o posto foi Sérgio Avelleda, ex-presidente da CPTM (2007 a 2010) e do Metrô (2011 a 2012), secretário de Transportes da gestão João Doria (PSDB).

Desde que Covas assumiu a prefeitura, seis secretários deixaram a gestão: Cláudio Carvalho (Secretarias Regionais), Wilson Pollara (Saúde), Júlio Serson (Relações Internacionais), Jorge Damião (Esportes), Anderson Pomini (Justiça) e, agora, Paulo Uebel (Gestão).

Próximo do ex-prefeito Doria, Uebel voltará à iniciativa privada a pedido. Avelleda deixará a chefia de gabinete de Covas para assumir a pasta de Gestão, cuja principal incumbência tem sido implementar a reforma da Previdência municipal.

Condenado por Improbidade

A 9.ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo condenou anteontem o ex-presidente do Metrô de São Paulo Sérgio Avelleda, atual secretário municipal de Transporte da gestão João Doria (PSDB), à perda de função pública e suspensão de direitos políticos pelo prazo de cinco anos por improbidade administrativa e ao pagamento de R$ 326,9 milhões de ressarcimento do suposto prejuízo aos cofres públicos. Cabe recurso.

A razão disso é que ele e 12 empresas são acusados de fraudar licitação para a construção da Linha 5-Lilás (Largo 13 à Chácara Klabin), em São Paulo, em 2010. Avelleda presidiu o Metrô e a CPTM nas gestões tucanas de José Serra e Geraldo Alckmin. São elas: OAS, Galvão Engenharia, Serveng, Andrade Gutierrez, Mendes Júnior, Heleno, Carioca, Cetenco, Queiroz Galvão, Triunfo, CR Almeida e Consbem. Procuradas, as empresas não se manifestaram até a conclusão desta edição.