Delator diz que pagou R$ 1 mi a Kassab, ministro de TemerTempo de leitura: 1 min.

0
125
Brasília - O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, assina portaria de desligamento da TV analógica no DF e em nove cidades do entorno (Wilson Dias/Agência Brasil)

 O executivo Dario de Queiroz Galvão Filho afirmou em colaboração premiada que o então prefeito da cidade de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD, ex-DEM), atuou no favorecimento de licitação da obra do túnel Sena Madureira para que a Galvão Engenharia saísse vencedora.

Em troca, a empreiteira teria ‘doado’ R$ 1 milhão para o diretório nacional do DEM, numa prática clara de propina, segundo a visão dos investigadores.A colaboração do executivo foi anexada aos autos de inquérito contra o ex-prefeito e hoje ministro, que está no Supremo Tribunal Federal.

Kassab é investigado por recebimento de vantagens indevidas da Odebrecht entre 2008 e 2009, ‘vantagens’ essas que teriam sido desviadas de licitações das obras viárias no Estado de São Paulo.

“Dario relatou ao Ministério Público Federal que, em 2008, foi procurado por um sócio do grupo Galvão, que o informou de um encontro com Kassab. No encontro, teria sido discutida uma obra a ser licitada pela Prefeitura e “oferecido o direcionamento do certame em favor da Galvão Engenharia”, em contrapartida a valores a serem repassados mediante doação para a campanha de Kassab, que concorria à reeleição.

Dario disse que, após a publicação do edital da obra, “a empresa entendeu que deveria cumprir com o compromisso, sendo autorizado o pagamento de R$ 1 milhão em favor do Diretório Nacional do DEM.”