Delator da JBS relata pressão de Yunes para ajudar TemerTempo de leitura: 2 min.

0
172

Um delator da JBS disse à PF (Polícia Federal) que foi pressionado por José Yunes a fechar acordo judicial para ajudar financeiramente o presidente Michel Temer. Yunes foi assessor do governo e amigo pessoal do emedebista. A declaração foi dada pelo advogado Francisco de Assis e Silva.

No depoimento, Assis e Silva afirmou que José Yunes teria insistido para fechar o negócio. O coronel fez a intermediação com outro advogado, Paulo Henrique Lucon, que estava na causa em questão.

As informações foram divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo neste sábado (7.jul.2018). Segundo o executivo da JBS, episódio teria acontecido em junho de 2015. O depoimento é de 23 de maio de 2018.

Lucon foi nomeado por Temer para integrar a Comissão de Ética Pública da Presidência em março de 2018. Já Yunes é citado na delação da Odebrecht como intermediário de pacote com R$ 1 milhão. O dinheiro iria para campanhas do PMDB.

Segundo a versão levada à PF, Temer receberia uma parte dos honorários da causa.

“Em junho de 2015, Paulo Lucon propôs ao depoente para que colassem termo final em relação aos honorários de uma ação privada envolvendo a empresa Bertin, adquirida pela JBS, e a empresa Basf, na qual Paulo Lucon possuía honorários que, segundo ele, totalizavam R$ 60 milhões, ocasião em que o depoente informou para Lucon que de forma alguma teria interesse em realizar tal acordo uma vez que entendia que a causa seria ganha pela JBS”, disse Assis e Silva à PF.

“Que, então, Yunes insistiu com o depoente para que repensasse sobre tal acordo com Lucon, uma vez que o então vice-presidente Michel Temer teria participação nos honorários que Lucon pleiteava na causa”, completou.

OUTRO LADO

À Folha, Yunes disse que “exerce a advocacia de forma ética há mais de 50 anos e jamais utilizou influência política em seu trabalho”.

Em nota, o Planalto declarou que “o presidente não teve qualquer participação neste processo e desconhece essa ação”.

Paulo Lucon disse que “nunca houve qualquer tipo de pressão para ser feito acordo” e afirmou que a declaração do delator é “mentira”.