Maia descarta aliança com PSDB e diz que governo Temer está desgastadoTempo de leitura: 3 min.

0
2166

Presidente da Câmara dos Deputados e principal liderança do DEM atualmente, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que a aliança do seu partido com o PSDB “está terminando”.

“Essa aliança vem sendo muito desgastada nos últimos anos. Em 2010, a composição foi difícil e em 2014 deixaram o DEM fora da chapa majoritária. Tudo isso mostra que o ciclo está terminando”, declarou o deputado ao Estadão.

Maia negou que abrirá mão de sua campanha à Presidência da República para apoiar o tucano Geraldo Alckmin. “Desistir em nome de quê? De uma derrota?”, questionou. O ex-governador de São Paulo tem 6% das intenções de voto segundo o DataPoder360 de abril.

“A maioria do partido entende que o PSDB sempre priorizou seus projetos, e não o coletivo”, disse.

APOIO NO 2º TURNO

Apesar de rejeitar uma união DEM-PSDB no 1º turno, Maia afirmou que tem conversado com Geraldo Alckmin para que, caso 1 dos 2 chegue ao 2º turno, receberá o apoio do outro.

“Temos projetos distintos, mas isso não vai nos levar a 1 conflito. Vamos continuar dialogando e aquele que chegar no 2º turno apoia o outro”, disse.

Maia tem 1% segundo o Datafolha de abril. Alçado como pré-candidato ao Planalto, o deputado teria uma disputa mais simples caso buscasse à reeleição à Câmara. Caso desista da disputa pela Presidência, ainda pode tentar 1 mandato de 4 anos como deputado.

GOVERNO TEMER

O presidente da Câmara não elogiou e nem criticou o governo Temer. Mas fez questão de se distanciar e tentar se apresentar como uma alternativa à política do emedebista.

“É legítimo que o MDB tenha uma candidatura própria, que olha para o passado, seja com o presidente Michel ou com o ex-ministro Meirelles. Alguns outros partidos, como o DEM, estão querendo construir 1 projeto que olhe para o futuro”, declarou.

Temer é rejeitado por 73% da população, segundo o DataPoder360. Apenas 8% consideram seu governo bom ou ótimo. Até agora, nenhum candidato –fora Temer e o ex-ministro Henrique Meirelles– se dispôs a defender com unhas e dentes a gestão do emedebista.

“Não é dessa aliança [do MDB, de Temer e Meirelles, com o PSDB, de Alckmin] que queremos participar. O ciclo de 30 anos pode acabar nessa eleição. Há 1 esgotamento. Está na cara que a sociedade não aceita mais as práticas, os métodos e a forma de se fazer política atual”, afirmou.

O discurso de Rodrigo Maia se assemelha ao do pré-candidato à Presidência do Podemos, o senador Álvaro Dias. Os 2 partidos tentam colar em si a pecha de “novo” e de que não compactua com a atual política.

LULA, PT E A ESQUERDA

Maia disse que o ex-presidente Lula é “1 ativo muito forte” para o PT. Classificou o governo do petista como “ponto 10”, o de sua sucessora, Dilma Rousseff, como “ponto menos 8” e o de Michel Temer como “ponto 2”.

“Com o desgaste do presidente Temer, essa época [governo Dilma] saiu da memória do eleitor. Com toda a dificuldade, o PT ainda tem 1 ativo muito forte, que é o Lula. Sem ele, pode voltar a ser o partido com maior restrição”, declarou.

O deputado tenta articular a aliança do DEM com 1 bloco de partidos que se dizem de centro ou que não têm ideologia bem definida. É o caso do PP, PR, PRB e Podemos. Alguns deles, em especial o PP, começou a avaliar a possibilidade de apoio em Ciro Gomes, do PDT, de centro-esquerda.

Maia negou que o DEM fará aliança com o ex-ministro da Fazenda e ex-governador do Ceará e afirmou: “Vamos levar minha candidatura até o final”.