MDB contesta coligação do PSDB no TSE; Alckmin fala em ‘tapetão’Tempo de leitura: 1 min.

0
267

O MDB e seu candidato ao Planalto, Henrique Meirelles, apresentaram na noite de 6ª feira (17.ago.2018) uma contestação ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB). A alegação é de que há problemas com a validade dos partidos coligados ao tucano.

O argumento do MDB é de que os partidos registram em convenção apenas o apoio ao nome de Alckmin e não formalizaram o desejo de se coligar com as outras legendas que o apoiam. Formalizaram apoio ao tucano o DEM, PP, PRB, PR, PTB, PSD, PPS e Solidariedade. A alegação é a de que deveria constar “expressamente da ata o nome dos partidos coligados, a fim de que se permita aferir objetivamente a confluência das deliberações partidárias”.

“Como a coligação é 1 ato de vontade bilateral – que exige reciprocidade (A diz que coliga com B; e B diz que coliga com A) – impõe-se que sejam apresentados aos convencionais os nomes das legendas com as quais se pretende coligar, a fim de que os convencionais aprovem a coligação completa ou apenas em parte”, diz o documento (leia a íntegra).

O MDB afirma que os filiados que aceitaram o apoio de seus partidos ao nome de Alckmin não necessariamente aceitariam compor esta coligação.

Em São Paulo, Alckmin afirmou não temer a contestação. “Não há nenhuma divergência. Isso é tapetão puro”, disse, em crítica ao MDB. “Eu estive em todas as convenções [dos partidos coligados]. Foi anunciado, comemorado, foi feita a convenção, a aliança. Não tem o menor sentido fraudar a vontade do partido político na aliança.”