Temer viajará ao Peru e Cármen Lúcia deve assumir PresidênciaTempo de leitura: 2 min.

0
328

O presidente Michel Temer viajará a Lima, no Peru, na 6ª feira (13.abr). Desta vez, sua substituta deve ser a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia.

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira, viajarão ao Panamá e ao Japão, respectivamente. Não poderiam assumir o cargo também por causa das regras de desincompatibilização.

Na ordem, estão na linha de substituição ao presidente: vice-presidente (vago), presidente da Câmara (Rodrigo Maia), presidente do Senado (Eunício Oliveira) e presidente do STF (Cármen Lúcia).

Segundo a lei eleitoral, Maia e Eunício teriam de desistir de suas pré-campanhas (à Presidência e ao Senado, respectivamente) caso assumissem o Planalto na ausência de Temer.

Maia é pré-candidato do DEM à Presidência. Ainda sem números volumosos nas pesquisas de intenção de voto (registrou 1% no Datafolha de janeiro de 2018), pode abdicar da disputa e ser candidato à reeleição na Câmara.

Eunício tentará a reeleição no Senado pelo MDB do Ceará. Articula uma aliança na chapa do atual governador, Camilo Santana, do PT.

Cármen Lúcia assume o comando do país assim que Temer deixar o espaço aéreo brasileiro, na sexta-feira. O presidente retorna no dia seguinte, em horário a definir.

Não é a primeira vez que um presidente do STF assume interinamente a presidência da República. Em setembro de 2014, Ricardo Lewandowski foi presidente por dois dias, quando a presidente Dilma Rousseff e Michel Temer, então vice-presidente, estavam em agendas fora do país.

Em 2002, foi o ministro Marco Aurélio Mello, em virtude de uma viagem de Fernando Henrique Cardoso à Europa. Na ocasião, o vice-presidente também estava fora do país e os presidentes da Câmara e o Senado acompanharam FHC em sua viagem.

Os outros ministros do STF que já assumiram interinamente a cadeira de presidente da República foram José Linhares, que assumiu, com a deposição de Getúlio Vargas, de 30 de outubro de 1945 a 31 de janeiro de 1946; José Carlos Moreira Alves, em 1986; e Octávio Gallotti, em agosto de 1994.