Facebook anuncia óculos de realidade virtual Oculus Go por US$ 199Tempo de leitura: 2 min.

0
92

O Facebook anunciou na manhã desta terça-feira, 1, o lançamento de um novo óculos de realidade virtual que mudar o momento do mercado da tecnologia. Chamado de Oculus Go, o aparelho poderá funcionar sem estar conectado diretamente a um computador, videogame ou celular e já está à venda nos Estados Unidos por US$ 199.

O preço, pelo menos US$ 200 inferior ao de outros dispositivos da categoria, como o HTC Vive, o PlayStation VR e o Oculus Rift, do próprio Facebook, bem como a facilidade de uso, são as apostas da empresa para democratizar a realidade virtual. O dispositivo foi apresentado pelo Facebook durante a conferência de abertura da F8, evento dedicado à comunidade de desenvolvedores que acontece nesta semana em San José, na Califórnia.

Segundo a empresa, o Oculus Go tem melhorias significativas na comparação com o Oculus Rift, lançado originalmente em 2016 pelo Facebook. Entre elas, além da falta de necessidade de plugar o dispositivo a um computador, estão lentes melhores e um sistema de som que dispensa o uso de fones de ouvido — a transmissão é feita a partir dos ossos craniais.

Para quem quiser ouvir o som à moda antiga, porém, o aparelho ainda conta com uma entrada tradicional de fone de ouvido. Além disso, garante o Facebook, o aparelho conta com ajustes de cabeça flexíveis e pode ser usado até mesmo por quem usa óculos, sem precisar tirar as lentes da frente.

Preço. A fronteira dos US$ 200 é importante para o mercado de realidade virtual porque pode ajudar a baratear a tecnologia e justificar, para produtores de conteúdo, a criação de novos aplicativos e jogos — obedecendo à lógica de que, com um dispositivo mais barato, mais pessoas se interessarão pela tecnologia e haverá um público maior interessado neste conteúdo.

Ao vender um dispositivo na casa dos US$ 200, o Facebook consegue descolar o Oculus Go dos rivais tidos como premium, como o HTC Vive e o PlayStation VR, e o aproxima do mercado de entrada, hoje disputado por aparelhos como o Samsung Gear VR e o Daydream, do Google, ambos vendido na faixa dos US$ 100 dólares os dois, porém, utilizam a tela e os recursos de processamento dos smartphones para rodar.

Além disso, a característica de ser um dispositivo independente deve facilitar a absorção do Oculus Go por um público não necessariamente interessado em tecnologia. “Realidade virtual precisa ser algo prático e móvel”, disse o analista Tuong Nguyen, da consultoria Gartner, em entrevista ao Estado em março.